segunda-feira, 30 de março de 2020

Formação on-line à medida da sua empresa, Qualidade!


De acordo com a sua necessidade, na hora mais conveniente e com a cadência adequada.
Desenharemos um programa específico, podendo tomar como referência não só os conteúdos da nossa oferta standard de formação (http://www.catim.pt/pt-pt/formacao_qualidade), como o seu tipo de processos e produtos e em que nível de maturidade se encontra a sua gestão da qualidade.

O CATIM está certificado ISO 9001 também no domínio da gestão da qualidade, e conta com uma experiência de assistência técnica e formação de 30 anos, tendo colaborado com centenas de empresas industriais e e de serviços.

Acções de formação possíveis:
• ISO 9001 - Sistemas de Gestão da Qualidade
• Gestão dos Equipamentos de monitorização e medição
• Gestão da Manutenção
• Auditorias Internas
• ISO/IEC 17025 - Sistemas de Gestão da Qualidade em Laboratórios

Contacte-nos!
CATIM, Serviço de Formação
formacao@catim.pt

sexta-feira, 27 de março de 2020

RCM (Reliability Centered Maintenance)



RCM (Reliability Centered Maintenance)

Descrita na norma SAE JA1012:2011- A Guide to the Reliability-Centered Maintenance (RCM) Standard. Foi documentada pela primeira vez por F. S. Nowlan e H. F. Heap num relatório da United Airlines, sendo publicado pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos em 1978.
Pode ser definida como: “um processo utilizado para determinar o que deve ser feito para assegurar que cada bem físico continue a realizar a função requerida no contexto operativo em que se encontra”.

O RCM é um processo que permite analisar sistematicamente um sistema produtivo de forma a compreender as suas funções, os seus modos de falha, como escolher adequadamente as tarefas de manutenção e a sua programação para assim evitar a ocorrência desses modos de falha ou detetá-los antes de ocorrerem, como determinar os pressupostos das peças de reserva e como otimizar periodicamente a manutenção ao longo do tempo, quer seja melhorando-a, quer seja modificando-a.
É uma abordagem que pretende:
v  Alcançar a maior fiabilidade de um sistema através da manutenção preventiva
v  Determinar as atividades de manutenção em função do estudo das funções de cada componente/sistema, suas respetivas falhas e efeitos
v  Orientar as atividades de manutenção para a garantia da confiança, ou seja, para o aumento da fiabilidade do sistema através destas atividades
Para implementar devidamente uma análise RCM é necessário responder à sete questões associadas as funções e respetivas falhas (ocorrência, consequência e deteção).
Para realizar uma análise RCM é necessário utilizar várias ferramentas de análise bem como a experiência de quem trabalha com o sistema. Assim, utilizam-se:
v  FMEA (Failure mode and effects analysis) - Análise Modal de Falhas e Efeitos (AMFE): onde são listados os modos de falha, seus efeitos e criticidade dos diferentes componentes de um sistema
v  O diagrama de decisão do RCM, o qual permite a seleção da tarefa de manutenção adequada, ou caso não exista, a operação mais adequada
v  FTA (Fault Tree Analysis): a Análise de Árvore de Falhas
v  Técnicas de monitorização da condição dos equipamentos
v  Inspeção aos equipamentos baseada nos riscos

Mais informações sobre este assunto!
claudia.pires@catim.pt
Unidade da Qualidade e Inovação
Assistência técnica na melhoria das suas práticas de gestão da manutenção, formação presencial ou à distância, projetos de inovação

quinta-feira, 26 de março de 2020

Viseiras... Tempos difíceis e imprevisíveis exigem soluções criativas!


Tempos difíceis e imprevisíveis exigem soluções criativas…
Utilizar viseiras em muitos postos de trabalho que contactam com público passou a ser uma prática mais que recomendável…e neste momento de emergência não abundam no mercado…
Com um impressora 3D didáctica ou doméstica é possível construir a estrutura de suporte em PLA (polímero poliácido láctico), no qual se prende um PVC transparente semirrígido, e o conjunto preso a uma fita para segurar na cabeça do utilizador.
Como fazer?
Na internet existem muitos sites com múltiplos desenhos de acesso livre. Exemplo https://www.prusaprinters.org/…/25857-prusa-protective-face…
E o CATIM assim fez…


quarta-feira, 25 de março de 2020

Segurança de Máquinas - Formação à medida da sua empresa e à distância!



Segurança de Máquinas - Formação à medida da sua empresa e à distância!
De acordo com a sua necessidade, na hora mais conveniente e com a cadência adequada.

Desenharemos um programa específico para a equipa de projeto e equipa técnica da sua empresa, podendo tomar como referência não só os conteúdos da nossa oferta standart de formação como o tipo de máquinas e sistemas de produção que concebe.

O CATIM está reconhecido como Organismo Notificado para a Diretiva Máquinas e tem uma experiência de 28 anos de colaboração com toda a indústria no domínio da segurança de máquinas com participação activa na construção de toda a estrutura normativa nacional, europeia e internacional de referência.

Acções de formação possíveis:
           Directiva Máquinas
           Aplicação da Norma EN ISO 12100 – Apreciação do Risco em Máquinas
           Norma EN 13849 – A Segurança na conceção de sistemas de comando
           Diretiva Equipamentos de Trabalho
           Atmosferas Explosivas – Diretiva ATEX

Contacte-nos!
CATIM, Serviço de Formação
formacao@catim.pt

segunda-feira, 23 de março de 2020

Acesso seguro a máquinas, Norma ISO 14122 – Safety of machinery - Permanent means of access to machinery


A Norma ISO 14122, elaborada no âmbito dos comités técnicos ISO/TC 199 – Safety of machinery e CEN/TC 114 – Safety of machinery, tem como objetivo definir os requisitos gerais para o acesso seguro a máquinas. Esta norma está dividida nas seguintes  4 partes:

  • ISO 14122-1: 2016 – Safety of machinery - Permanent means of access to machinery- Part 1: Choice of fixed means and general requirements of access
  • ISO 14122-2: 2016 – Safety of machinery - Permanent means of access to machinery - Part 2: Working platforms and walkways
  • ISO 14122-3: 2016 – Safety of machinery - Permanent means of access to machinery - Part 3: Stairs, stepladders and guard-rails
  • ISO 14122-4: 2016 – Safety of machinery - Permanent means of access to machinery - Part 4: Fixed ladders

Encontra-se em preparação uma parte adicional aplicável às máquinas móveis.


No âmbito da segurança de máquinas, devem ser previstos meios de acesso seguro para os trabalhos de produção, regulação, limpeza e manutenção.
Neste ponto inclui-se o acesso em altura, o que, por vezes, leva à necessidade das máquinas estarem equipadas com escadas e plataformas.
Estas normas são uma ferramenta importante na definição e escolha de meios a implementar nas máquinas para acesso, assim como definem os requisitos aplicáveis aos vários tipos de escadas fixas, plataformas, varandins e guarda-corpos.
As Normas ISO 14122 são relevantes para o fabrico de máquinas e respetiva marcação CE, assim como para o utilizador de máquinas no âmbito da verificação de segurança, através da aplicação do Decreto-Lei 50/2005 de 25 de fevereiro e também no recondicionamento de máquinas.

Mais informações:
Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos
catim@catim.pt
telef 226 159 000


sexta-feira, 20 de março de 2020

NP EN ISO/IEC 17025:2018 – Requisitos gerais de competência para laboratórios de ensaio e calibração



A NP EN ISO/IEC 17025 foi desenvolvida com o objetivo de promover a confiança no funcionamento dos laboratórios. Estabelece requisitos que lhes permitem demonstrar que operam com competência e são capazes de gerar resultados válidos perante os seus clientes, autoridades regulamentares, organizações e esquemas que utilizam avaliação entre pares, organismos de acreditação e outros.

Esta norma abrange os ensaios e calibrações realizados quer segundo métodos normalizados, e também métodos desenvolvidos e validados pelo próprio Laboratório, sendo portanto aplicável a todas as entidades que efetuem ensaios e ou calibrações (independentemente da dimensão e extensão do âmbito das suas atividades de ensaio e/ou calibração).
É a norma que serve de base da acreditação dos laboratórios pelo Organismos Nacionais de Acreditação (IPAC em Portugal).

O CATIM foi uma das entidades pioneiras em Portugal a alcançar a acreditação dos seus laboratórios na década de 80, mantendo esse compromisso com a acreditação até aos dias de hoje, e através da sua Unidade da Qualidade e Inovação presta serviços de:
- apoio na implementação na norma NP EN ISO/IEC 17025
- apoio no processo de acreditação
- auditorias internas.

Contactos: Unidade da Qualidade e Inovação
catim@catim.pt
Telef. 226 159 000


quarta-feira, 18 de março de 2020

EN ISO 20607: 2019 – Safety of machinery - Manual de Instruções


A EN ISO 20607: 2019 – Safety of machinery - Instruction handbook — General drafting principles (ISO 20607: 2019) é uma norma do tipo B, elaborada no âmbito dos comités técnicos ISO/TC 199 – Safety of machinery e CEN/TC 114 – Safety of machinery.

Esta norma trata do conteúdo, da estrutura e da apresentação do manual de instruções, considerando todas as fases do ciclo de vida duma máquina.
Especifica os requisitos para preparação das partes do manual de instruções relevantes para a segurança das máquinas e estabelece também os princípios indispensáveis para fornecer informação sobre os riscos residuais das mesmas.

De acordo com a secção 6.4.1.1 da norma NP EN ISO 1200: 2018, «o manual de instruções é parte integrante da conceção de uma máquina» e tem como objetivo fornecer informação ao utilizador (secção 6.4.1.2 da mesma norma) sobre «o seu uso previsto, tendo em conta, nomeadamente, todos os seus modos de funcionamento … devendo esta informação conter todas as instruções necessárias para garantir a utilização segura e correta da máquina».



Além daquele objetivo, o manual de instruções de uma máquina visa também cumprir requisitos essenciais de segurança específicos. A propósito, atente-se no que estabelece o ponto 1.7.4 do Anexo I da diretiva 2006/42/CE (Diretiva Máquinas): «cada máquina deve ser acompanhada de um manual de instruções na ou nas línguas comunitárias oficiais do Estado-Membro em que a máquina for colocada no mercado e/ou entrar em serviço».

Com a publicação da norma EN ISO 20607: 2019, os fabricantes de máquinas, bem como todas as outras partes interessadas, passam a dispor um guia especificamente dedicado aos manuais de instruções, cuja referência se espera venha a ser brevemente publicada no Jornal Oficial da União Europeia, conferindo-lhe assim o estatuto de norma harmonizada.



Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos
contacte-nos, estamos on-line!

Apesar de estarmos a cumprir um plano de contingência com limitação de presença física nas instalações do Catim ou nos nossos clientes, continuamos a trabalhar à distância, estando sempre disponíveis via email, telefone ou video-conferência (Microsoft Teams, Skype).
Basta enviar-nos um email!

catim@catim.pt
francisco.alba@catim.pt
alberto.fonseca@catim.pt
filipa.lima@catim.pt
gustavo.cruz@catim.pt
francisco.silva@catim.pt
walter.chaves@catim.pt


Doença Respiratória aguda COVID 19  (CORONAVÍRUS)
Seguir as recomendações da Direção Geral da Saúde  https://www.dgs.pt/, um compromisso de todos!

segunda-feira, 16 de março de 2020

Melhorar a eficiência

Bom dia...
Os tempos difíceis irão passar e o futuro tem que se continuar a construir...
Minimizar e eliminar desperdícios de todo o tipo através da adopção de boas práticas e boas ferramentas, vai ser ainda mais importante...

Ferramentas
Objetivos
VSM
(Value Stream Mapping)
Identificar desperdícios e acções de melhoria.
5 S
Melhorar a organização, promover a limpeza e normalização das tarefas como meio de eliminação de desperdícios e custos.
GESTÃO VISUAL
Promover a melhoria da qualidade através da partilha de informação visual relevante aos colaboradores, envolvendo-os na gestão das tarefas.
OEE
(Overall Efficience Equipment)
Avaliar a eficiência dos equipamentos com identificação das perdas.
KANBAN
 “puxar” o processo de produção, minimizando o n.º de itens em curso de fabrico
KAIZEN
Promover as actividades de melhoria contínua em todas as funções, envolvendo todos os colaboradores.
TPM
(Total Productive Maintenance)
Promover o aumento da produtividade e qualidade através da aposta na gestão da manutenção dos equipamentos
SMED
(Single Minute Exchange of Die)
Promover a troca rápida de ferramentas e deste modo, favorecer uma resposta em tempo útil às necessidades dos clientes.
Poke-Yoke
Reduzir não conformidades através da eliminação da possibilidade de falha.
Takt Time
Promover o balanceamento da produção com a procura. “Marcar” o compasso na produção.
Padronização do Trabalho
Garantir a estabilização das operações/processos através da normalização, padronização e sistematização das tarefas / actividades


Unidade da Qualidade e Inovação
contacte-nos, estamos on-line!

Apesar de estarmos a cumprir um plano de contingência com limitação de presença física nas instalações do Catim ou nos nossos clientes, continuamos a trabalhar à distância, estando sempre disponíveis via email, telefone ou video-conferência (Microsoft Teams, Skype).
Basta enviar-nos um email!

catim@catim.pt
francisco.alba@catim.pt
alexandra.peixoto@catim.pt
marta.mendes@catim.pt
claudia.pires@catim.pt


Doença Respiratória aguda COVID 19  (CORONAVÍRUS)
Seguir as recomendações da Direção Geral da Saúde  https://www.dgs.pt/, um compromisso de todos!

quarta-feira, 11 de março de 2020

Qualidade, ferramenta 5W2H



O QUE É?
A ferramenta 5W2H consiste num plano de ação que permite decompor um processo, procedimento ou atividade, de forma a identificar as principais ações a realizar, a forma como serão realizadas e respetivos responsáveis, assim como os custos associados [1].
Introduzida no Japão, na indústria automóvel, começou por ser usada como uma ferramenta auxiliar ao ciclo PDCA e visa melhorar a eficiência na resolução de problemas de forma simples, isto é, através de 7 questões básicas [2].

AS 7 QUESTÕES BÁSICAS
·        What Definição do Objetivo: Que ação será executada?
·        Why Justificação: Porque é que a ação será executada? (benefícios)
·        Where Local: Onde será executada a ação?
·        When Cronograma: Quando é que será executada a ação?
·        Who Responsabilidade: Quem irá executar/participar na ação?
·        How Metodologia: Como será executada a ação?
·        How much Orçamento: Quanto é que custa executar a ação?

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS
·        Permite aos gestores um melhor controlo sobre as atividades
·        Permite uma sistematização objetiva
·        Melhora o entendimento entre os envolvidos
·        Diminui ambiguidades e elimina ruídos na comunicação
·        Distribui de forma clara as tarefas entre os colaboradores
·        Propicia a consciência coletiva, motivação e comprometimento dos envolvidos

BIBLIOGRAFIA
[1] Meira, RC. (2003). As ferramentas para a melhoria da qualidade. Porto Alegre: SEBRAE, 2003.
[2] Silva, AO, Roratto, L, Servast, ME, Dorneles, L, Polacinski, E. (2013). Gestão da qualidade: aplicação da ferramenta 5w2h como plano de ação para projeto de abertura de uma empresa. Seminário Estadual de Engenharia Mecânica e Industrial.

terça-feira, 10 de março de 2020