sexta-feira, 23 de outubro de 2020

REACH – Principais Obrigações e Ferramenta de Operacionalização, ONLINE, 6 horas

 

Formadora: Eduarda Fernandes

Unidade de Ambiente e Segurança do CATIM

17 e 19 de novembro de 2020 das 9:30 às 12:30

Mais informações e inscrições: aqui

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Legislação Ambiental - Principais Requisitos, ONLINE, 10 Horas

 


Formadora: Patrícia Soares

Unidade de Ambiente e Segurança do CATIM

12, 13, 19 e 20 de novembro das 9:30 às 11:30

Mais informações e inscrições: aqui

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Legislação de Segurança e Saúde no Trabalho, Avaliação da Conformidade Legal, ONLINE, 12 horas

 


Formadores: Helena Góis, Marta Sousa, Mónica Henriques, Tiago Teixeira

Unidade de Ambiente e Segurança do CATIM

10, 12 e 17 de Novembro, das 9:00 às 13:00

Mais informações e inscrições: aqui


terça-feira, 20 de outubro de 2020

Técnico de Gás - Atualização de Conhecimentos, ONLINE, 25 horas!



Formação validada pela DGEG
Formadora: Ana Mendes

9 a 20 de Novembro de 2020, das 9:00 às 11:30

Mais informações e inscrições: aqui

Corrosão de materiais



Resistência à corrosão
 

A corrosão, como processo de deterioração de um material, produz alterações prejudiciais e indesejáveis nos elementos estruturais. Porque o produto da corrosão é um elemento diferente do material original, este acaba por perder as suas características essenciais, tais como resistência mecânica, elasticidade, ductilidade, etc. 

Embora o fenómeno da corrosão seja geralmente reportado a metais e ligas, quase todos os materiais estão sujeitos a degradação e o nível de poluição vem, hoje em dia, acelerar esses processos. Não escolhendo escala, a corrosão pode danificar edifícios e estruturas, máquinas ou equipamentos públicos, obrigando a reparações onerosas e repetidas e com implicações que ultrapassam uma avaliação estritamente financeira. 

Em certos casos, quando a corrosão atinge níveis elevados, torna-se impraticável a sua remoção, justificando que a inspeção regular, as medidas oportunas de prevenção e reparação e o controlo destas representem as melhores formas de evitar problemas.

Ensaios de corrosão

Os ensaios de corrosão podem ajudar a prever a resistência dos materiais à corrosão e assim estimar o ciclo de vida dos componentes, comparar diferentes materiais e avaliar o comportamento de um dado material quando exposto a um ambiente corrosivo em particular. Os ensaios de corrosão também podem ajudar fabricantes e utilizadores a compreender se os processos de revestimento e outras proteções estão a ser executados de acordo com as especificações determinadas. 

Sendo certo que tanto o comportamento anticorrosivo e a resistência à corrosão dos materiais são afetados por inúmeros fatores externos, tais como temperatura, água, humidade e condensação, ação direta de ácidos e sais, contacto com outros materiais e ação de agentes físicos como UV’s, exposições ou alternâncias térmicas, correntes elétricas, não há um teste universal de corrosão. A própria diversidade da relação entre o material afetado e o agente, o fator externo ou a situação causal revela-se pelas distintas ou combinadas formas de apresentação: desde picadas (criando pequenos furos no metal) e empolamento (expondo perda de aderência entre o revestimento e o material de base), até à corrosão intergranular (IGC) em zonas específicas do material, todos estes e outros sintomas e deterioração são essenciais para investigar a natureza, a origem e as medidas remediais ou preventivas aconselháveis. 

Para isso, quer se trate de produtos metálicos ou de outros materiais, o CATIM oferece soluções de ensaio abrangentes tais como ensaios de nevoeiro salino neutro, cúprico e acético; ensaios cíclicos de corrosão; ensaios de resistência ao SO2; ensaios de resistência aos UV; de resistência ao vapor de amónia; de resistência à fissuração por Ozono; ensaios climáticos: temperatura, humidade, atmosfera condensada, choque térmico, avaliação de degradação de revestimentos: grau de enferrujamento, empolamento, fissuração, descamação, aderência por tração, quadrícula e corrosão à volta do um traço e ensaios de exposição em soluções corrosivas, corrosão sob tensão e deszincificação.

Os nossos serviços de ensaios de corrosão estão em conformidade com todas as normas relevantes aplicáveis.

Abaixo, referem-se algumas das especificações e normas de ensaios de corrosão que, porque a tal estamos habilitados, fazem parte da nossa experiência corrente.


Nota: "post" de autoria Joana Leal, Unidade de Materiais e Produtos do CATIM
Contacto para ensaios: Joana Leal



segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Sistema Internacional de Unidades, definição das unidades de base

 3.1 Unidades de base

Unidade de tempo:

O segundo, símbolo s, é a unidade de tempo do SI. Define-se tomando o valor numérico fixado da frequência do césio, (Delta)v(índice Cs), a frequência da transição hiperfina do estado fundamental do átomo de césio 133 não perturbado, igual a 9 192 631 770, quando expressa em Hz, unidade igual a s(elevado a -1).

Unidade de comprimento:

O metro, símbolo m, é a unidade de comprimento do SI. Define-se tomando o valor numérico fixado da velocidade da luz no vazio, c, igual a 299 792 458 quando expressa em m s(elevado a -1), sendo o segundo definido em função de (Delta)v(índice Cs).

Unidade de massa:

O kilograma, símbolo kg, é a unidade de massa do SI. Define-se tomando o valor numérico fixado da constante de Planck, h, igual a 6,626 070 15 x 10(elevado a -34) quando expressa em J s, unidade igual a kg m2 s(elevado a -1), sendo o metro e o segundo definidos em função de c e (Delta)v(índice Cs).

Unidade de corrente elétrica:

O ampere, símbolo A, é a unidade de corrente elétrica do SI. Define-se tomando o valor numérico fixado da carga elementar, e, igual a 1,602 176 634 x 10(elevado a -19), quando expressa em C, unidade igual a A s, sendo o segundo definido em função de (Delta)v(índice Cs).

Unidade de temperatura termodinâmica:

O kelvin, símbolo K, é a unidade de temperatura termodinâmica do SI. Define-se tomando o valor numérico fixado da constante de Boltzmann, k, igual a 1,380 649 x 10(elevado a -23), quando expressa em J K(elevado a -1), unidade igual a kg m2 s(elevado a -2) K(elevado a -1), sendo o kilograma, o metro e o segundo definidos em função de h, c e (Delta)v(índice Cs).

Unidade de quantidade de matéria:

A mole, símbolo mol, é a unidade da quantidade de matéria do SI. Uma mole contém exatamente 6,022 140 76 x 10(elevado a 23) entidades elementares. Este número é o valor numérico fixado da constante de Avogadro, N(índice A), quando expressa em mol(elevado a -1) e é designado por «número de Avogadro».

A quantidade de matéria, símbolo n, de um sistema é uma representação do número de entidades elementares especificadas. Uma entidade elementar pode ser um átomo, uma molécula, um ião, um eletrão, ou qualquer outra partícula ou agrupamento especificado de partículas.

Unidade de intensidade luminosa:

A candela, símbolo cd, é a unidade de intensidade luminosa do SI numa dada direção. Define-se tomando o valor numérico fixado da eficácia luminosa de uma radiação monocromática de frequência 540 x 10(elevado a 12) Hz, K(índice cd), igual a 683 quando expressa em lm W(elevado a -1), unidade igual a cd sr W(elevado a -1), ou cd sr kg(elevado a -1)m(elevado a -2) s(elevado a 3), sendo o kilograma, o metro e o segundo definidos em função de h, c e (Delta)v(índice Cs).


3.2 - Unidades derivadas:

As unidades derivadas são definidas como produtos de potências das unidades de base. Quando o fator numérico deste produto é igual a um, as unidades derivadas são designadas por unidades derivadas coerentes. As unidades de base e as unidades derivadas coerentes do SI formam um conjunto coerente designado como conjunto coerente de unidades SI. O termo «coerente» significa que as equações que relacionam os valores numéricos das grandezas têm exatamente a mesma forma que as equações entre as próprias grandezas.

Certas unidades derivadas coerentes do SI têm um nome especial. As sete unidades de base e as 22 unidades SI com um nome especial apresentadas a seguir formam a parte central do conjunto das unidades do SI, a partir das quais todas as restantes unidades do SI são combinações de algumas destas 29 unidades.


Fonte: Decreto-Lei Nº 72/2000 de 25 de setembro

sexta-feira, 16 de outubro de 2020

A Conformidade Metrológica de Equipamentos / Sistemas de Medição, Formação ONLINE!

 


Duração: 6 horas

Datas: 2, 3 e 6 de Novembro

Horário: 10:00 às 12:00

Resumo do Conteúdo Programático:

- Introdução aos conceitos da metrologia

- Processo de Confirmação Metrológica:

- Características do equipamento vs propriedades dos processos de medição

- Requisitos de medição

- Definição de critérios de aceitação

- Calibração vs verificação metrológica

- Análise e decisão de certificados/relatórios de calibração *

- Determinação de intervalos de calibração

- Registos e documentos aplicáveis

Formadora: Alexandra Peixoto (CATIM)


Mais informações e inscrições: aqui


quarta-feira, 14 de outubro de 2020

"PROTECTING THE PLANET WITH STANDARDS", Dia Mundial da Normalização 2020, é hoje!


"PROTECTING THE PLANET WITH STANDARDS", Dia Mundial da Normalização 2020, é hoje!

O CATIM é reconhecido como organismo de normalização sectorial (ONS) no âmbito do Sistema Português da Qualidade, coordenando nessa qualidade, 15 comissões técnicas de normalização.

Para além desta intervenção como ONS, o CATIM participa com os seus técnicos em inúmeras comissões técnicas de normalização, contribuindo também o desenvolvimento das normas e por essa via, dum mundo melhor.

O CATIM não podia de deixar de se associar a esta comemoração do Dia Mundial da Normalização, fazendo a devida referência neste blog e nos outros locais onde marca regularmente presença.

Protejamos a nossa TERRA também com a normalização!

https://www.iso.org/world-standards-day.html

terça-feira, 13 de outubro de 2020

Diretiva Máquinas, "Impact assessment study on the revision of Directive 2006/42/EC on machinery", Comissão Europeia


"The scope of the study is to assess the impacts of the different policy options identified in view of choosing the most cost-effective policy option that ensures a high level of health and safety. The geographic scope of this study was the 2019 composition of the European Union (i.e. including the UK) and the EEA as a whole. It also examined relevant existing laws and initiatives at international level, especially in significant market such as the US, Japan, South Korea and China, as well as how international standards contribute to the competitiveness of the European machinery sector.

Link