sexta-feira, 17 de setembro de 2021

MSA - Análise dos Sistemas de Medição



O QUE É?
A Análise dos Sistemas de Medição (MSA, Measurement Systems Analysis) consiste numa avaliação completa de um processo de medição, que engloba, por norma, o design de uma experiência especialmente projetada para a identificação de componentes de variação nesse processo de medição. Assim, um estudo MSA é utilizado para certificar que o sistema de medição está apto para o uso pretendido, avaliando a sua exatidão, precisão e estabilidade.

QUAL A IMPORTÂNCIA?
Atualmente, as indústrias dispõem de uma elevada quantidade de dados obtidos pelos sistemas de medição, a partir dos quais tomam decisões sobre os processos e o negócio em geral. Dessa forma, é necessário que os dados recolhidos sejam confiáveis, minimizando o risco de tomar decisões inadequadas que possam afetar adversamente os processos e os produtos da organização. Para assegurar a confiabilidade dos dados recolhidos para tomar decisões, é necessário analisar o sistema de medição, ou seja, planear um estudo MSA.

COMO PROCEDER?
Existem várias técnicas e ferramentas para análise dos sistemas de medição. Uma das técnicas mais vulgarmente utilizada são os estudos R&R (Repetibilidade e Reprodutibilidade). Os estudos R&R permitem avaliar a variabilidade de um sistema de medição, em condições de repetibilidade e de reprodutibilidade, com o objetivo de determinar a variabilidade do processo de medição e respetiva capabilidade, ou seja, avaliar se a variabilidade do sistema de medição é aceitável ou não para o fabrico de um determinado produto, tendo em conta a tolerância das suas especificações. 
Para efetuar um estudo R&R deve seguir-se várias etapas:
1.     Recolher pelo menos 10 amostras de diferentes dimensões;
2.  Selecionar três operadores para efetuarem pelo menos 2 medições de cada uma das amostras;
3.     Registar as medições;
4.    Calcular os valores médios ( ) e a amplitude das medições (R), para cada uma das amostras;
5.  Calcular a média dos valores médios ( ) e as amplitudes médias ( ) para cada um dos operadores;
6.     Calcular a média das amplitudes médias dos operados ( );
7.     Calcular a amplitude das médias dos valores médios dos operadores ( );
8.  Calcular a repetibilidade para determinar a variação introduzida pelo equipamento de medição;
9.     Calcular a reprodutibilidade para determinar a variação introduzida pelos operadores;
10.  Determinar a variância do processo e a sua capabilidade, pelo cálculo do índice Precision-to-tolerance ratio (PTTR%).

A AIAG (Automotive Industry Action Group) estabeleceu uma regra geral para a análise do valor de PTTR%:
·        Se PTTR ≤ 10%, o sistema de medição é considerado Aceitável;
·    Se 10% < PTTR ≤ 30%, o sistema de medição é considerado Aceitável dependendo da importância da aplicação, do custo do equipamento de medição, custo de reparação e outros fatores;
·        Se PTTR >30%, o sistema de medição é considerado Não aceitável.
Caso o sistema de medição seja considerado não aceitável, deverão ser implementadas ações de melhoria. Para tal, devem comparar-se os valores de repetibilidade e de reprodutibilidade e:
·      Se o valor de repetibilidade for superior ao valor de reprodutibilidade, significa que a variação é essencialmente gerada pelo equipamento de medição. Nesses casos, poderá optar-se por substituir o equipamento ou este poderá ser recalibrado;
·      Se o valor de reprodutibilidade for superior ao valor de repetibilidade, significa que a variação é introduzida maioritariamente pela influência dos operadores. Nesse caso, uma possível forma de reduzir essa variação poderá ser administrar formação aos operadores na utilização do equipamento de medição, de modo a procurar normalizar o método de medição.

BIBLIOGRAFIA
Montgomery, D. C. (2009). Introduction to statistical quality control. John Wiley & Sons, Arizona State University, 6th Edition;
Automotive Industry Action Group (AIAG) (2002). Measurement Systems Analysis Reference Manual. Chrysler, Ford, General Motors Supplier Quality Requirements Task Force.


FORMAÇÂO CATIM
MSA - Análise de Sistemas de Medição
12, 13, 19 e 21 de outubro!

Mais informações e inscrições: http://www.catim.pt/pt-pt/node/811


quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Segurança de Máquinas e de equipamentos de Trabalho no CATIM


No domínio da segurança de máquinas, instalações e equipamentos, o CATIM assume um papel singular em Portugal, apresentando um histórico de prestação de serviços e de responsabilidades públicas relevantes desde 1993, dispondo atualmente das seguintes 2 Unidades funcionais:

- Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos (ESE)

- Unidade de Certificação de Produtos (UCP)

A Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos foi criada em 1993, à data com a designação Unidade de Segurança de Máquinas (SM), tendo sido a estrutura organizativa que deu corpo ao primeiro reconhecimento do CATIM como Organismo Notificado em 1994, à data com um único âmbito, o da Diretiva Máquinas.

Esta Unidade dispõe de uma equipa constituída por 4 especialistas no domínio da segurança de máquinas e de equipamentos e 1 Director, sendo depositária do conhecimento nesta área técnica e que acompanha os trabalhos de normalização a nível nacional e internacional, e dos Organismos Notificados.

Esta Unidade, com os seus recursos humanos suporta parte da Unidade de Certificação de Produtos (UCP), Unidade criada em 2018 por força das novas regras da Notificação e que garante a acreditação do CATIM como Organismo de Certificação de Produtos e a continuação do reconhecimento como Organismo Notificado no âmbito da Diretiva Máquinas (também do Regulamento Aparelhos a Gás e também Diretiva de Equipamentos de Pressão; ver em https://www.catim.pt/pt-pt/reconhecimentos).


Principais serviços e atividades no âmbito da Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos (ESE):

DIRETIVA MÁQUINAS:

- Avaliação da conformidade com a Directiva Máquinas (2006/42/CE)

- Identificação da normalização e legislação aplicável a cada máquina

- Apreciação do risco

- Análise de sistemas de comando

- Informação técnica: processo técnico de fabrico, manual de instruções e Declaração CE de conformidade

- Peritagens de acidentes e eventos de segurança com máquinas e equipamentos de trabalho

- Participação nos trabalhos normativos nacionais da Comissão Técnica CT 40 / Máquinas - Ferramenta e Europeus CEN/TC 114 e CEN/TC143;

- Participação nos trabalhos normativos internacionais da ISO/TC 29, ISO/TC39 SC10 e ISO/TC199;

- Formação específica no domínio da segurança de máquinas a técnicos da indústria 


DL 50/2005:

- Avaliação das condições de segurança dos equipamentos de trabalho - DL 50/2005

- Verificações iniciais, periódicas e extraordinárias

- Inspecções


INSTALAÇÕES POR CABO PARA O TRANSPORTE DE PESSOAS (FUNICULARES E TELEFÉRICOS):


- Verificação da conformidade do projecto das instalações com os requisitos essenciais de segurança

- Análise de segurança e da conformidade de instalações com os mesmos requisitos

- Verificação intercalar de segurança

- Participação na CT 162 - Instalações por cabo para o transporte de pessoas (CATIM é Organismo de Normalização Setorial)

- Participação no Comité Europeu de normalização CEN/TC 242 

- O CATIM presta serviços neste domínio desde 2004, tendo sido reconhecido como entidade competente pelo Instituto da Mobilidade dos Transportes (IMT) para estas acções em diversas instalações, nomeadamente no Funicular dos Guindais (Porto), Telecadeira e Telesquis (Serra da Estrela), Skyparque (Manteigas), Telecabine de Lisboa (Lisboa, Parque das Nações), Ascensor da Bica (Lisboa), Teleférico do Jardim Botânico (Funchal), Ascensor do Sítio (Nazaré), Ascensor de Stª. Luzia (Viana do Castelo), Teleférico do Garajau (Região Autónoma da Madeira), Teleférico de Gaia (V. N. de Gaia), Elevador de St.ª Justa (Lisboa), Teleferico de Guimarães, Teleleférico da Fajã dos Padres (Região Autónoma da Madeira)


Principais serviços e atividades da UCP / Organismo Notificado nº 0464)


- Módulo B: Exame CE de Tipo

- Participação nos trabalhos europeus dos Organismos Notificados Europeus (Grupo Horizontal, Grupos Verticais);

- Manutenção de relações institucionais com organismos e personalidades relevantes no domínio da segurança, por força da sua condição de Organismo Notificado e pela sua intervenção ao nível da construção Normativa Europeia, 


Contactos

catim@catim.pt 

telefone : 226159000

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Inspeção a estantes e sistemas de armazenamento!

As instalações de armazenamento e os sistemas de estantes são considerados equipamentos de trabalho, devendo ser mantidas nas condições adequadas de funcionamento e em conformidade com os requisitos mínimos de segurança especificados pelo DL 50/2005. Os seus limites de utilização devem ser objectivamente definidos e cumpridos e deverá ser estabelecido pela empresa um procedimento de inspecção em períodos regulares forma a identificar, controlar, reduzir ou eliminar os riscos decorrentes da sua deterioração.

A norma EN 15635:2008 - “Steel static sotage systems – Application and maintenance of storage equipment” – Sistemas de armazenamento em estantes metálicas – Aplicação e manutenção do equipamento de armazenamento" providencia um guia de boas práticas na identificação e controlo do risco relacionado com sistemas de armazenamento em estantes metálicas, e quando cumprida, evidencia que a empresa tomou as medidas necessárias relativamente ao seu bom funcionamento e segurança.

Esta norma foi elaborada no âmbito do comité CEN/TC 344 – Steel static storage systems e aborda os sistemas de armazenamento desde a montagem e instalação, alterações na sua configuração, o seu uso, a avaliação de componentes danificados e também alterações que requerem uma revisão das operações de segurança de armazenamento. 

A inspeção periódica deste tipo de equipamentos é necessária, devendo a frequência ser definida de acordo com o histórico de utilização, o ambiente/atmosfera em que o equipamento está inserido, o tipo de utilização previsto, as dimensões, o tipo de equipamento para aceder às estantes (empilhador/stacker), etc, mas poder-se recomendar como ponto de partida uma inspecção anual.

Desta inspecção resulta ou pode resultar a determinação da carga máxima admissível, a identificação de aspectos a corrigir e a revisão das operações de segurança de armazenamento. 

A Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos do CATIM tem a competência necessária para fazer este tipo de inspecções de acordo com a norma acima referida.

Contacte-nos!

catim@catim.pt

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Estruturas metálicas - Marcação CE - Norma EN 1090



A Norma EN 1090 define os requisitos técnicos e de desempenho a que devem obedecer as estruturas metálicas (aço e alumínio), bem como, o nível de exigência necessário ao controlo de produção em fábrica (CPF).
A família da EN 1090 constitui um manual de boas práticas abrangendo toda a cadeia de fornecimento da estrutura:
     - organização das atividades de projeto e/ou especificações de fabrico, incluindo atividades de projeto externo;
     - plano de inspeção e ensaio (requisitos para: aquisição, receção, em curso de fabrico e final);
     - qualificação dos processos de fabrico/tecnológicos, qualificação de operadores e outros técnicos envolvidos;
A Marcação CE de estruturas metálicas, segundo a norma EN 1090, é obrigatória desde 1 de Julho de 2014.

Serviços/Apoio CATIM
Consultoria
Execução
Diagnóstico
(Análise de desvios aos requisitos aplicáveis decorrentes da série EN 1090)
X
X
Controlo de produção em fábrica (CPF) / Procedimentos. planos, entre outros registos de suporte
X
X
Qualificação dos procedimentos de soldadura
X
X
Qualificação de soldadores e operadores
X
X
Identificação/Realização de Ensaios destrutivos de apoio à qualificação de processos de soldadura
X
X
Qualificação de processos: Identificação/Realização de ensaios de validação de processos de corte, furação, revestimentos, entre outros aplicáveis
X
X
Identificação/Realização de outros ensaios mecânicos e metalográficos de apoio à validação de estruturas metálicas/componentes
X
X
Identificação/Realização de ensaios de caraterização de produtos no âmbito do Regulamento nº 305/2011 (ex. ligações estruturais)
X
X
Calibração de equipamentos de medição
X
X
 
O CATIM também executa acções de formação intra e inter-empresas neste domínio! (próxima acção dia 14 e 21 de setembro, http://www.catim.pt/pt-pt/node/808)

Consulte-nos!
Unidade da Qualidade e Inovação, catim@catim.pt

terça-feira, 17 de agosto de 2021

Procuramos Técnico Superior de Segurança no Trabalho

Procuramos Técnico Superior de Segurança no Trabalho


Formação/Qualificação de base:

Licenciatura/Mestrado em engenharia ou similar

Titulo Profissional de Técnico Superior de Segurança no Trabalho

Curso de projetista de segurança contra incêndios, da 2ª à 4ª categoria de risco

Formador certificado com CCP (fator preferencial)

Auditor ISO 45001 (fator preferencial)


Perfil:

Experiência mínima de 4 anos como Técnico Superior de Segurança no Trabalho

Experiência na Elaboração de Medidas de Autoproteção, preferencialmente utilizações-tipo XII

Experiência no desenvolvimento de avaliações ergonómicas

Conhecimentos alargados dos requisitos legais na área da Segurança e Saúde no Trabalho


Respostas para: catim@catim.pt

terça-feira, 3 de agosto de 2021

Segurança de máquinas, instalações e equipamentos no CATIM


No domínio da segurança de máquinas, instalações e equipamentos, o CATIM assume um papel singular em Portugal, apresentando um histórico de prestação de serviços e de responsabilidades públicas relevantes desde 1993, dispondo atualmente das seguintes 2 Unidades funcionais:

- Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos (ESE)

- Unidade de Certificação de Produtos (UCP)

A Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos foi criada em 1993, à data com a designação Unidade de Segurança de Máquinas (SM), tendo sido a estrutura organizativa que deu corpo ao primeiro reconhecimento do CATIM como Organismo Notificado em 1994, à data com um único âmbito, o da Diretiva Máquinas.

Esta Unidade dispõe de uma equipa constituída por 4 especialistas no domínio da segurança de máquinas e de equipamentos e 1 Director, sendo depositária do conhecimento nesta área técnica e que acompanha os trabalhos de normalização a nível nacional e internacional, e dos Organismos Notificados.

Esta Unidade, com os seus recursos humanos suporta parte da Unidade de Certificação de Produtos (UCP), Unidade criada em 2018 por força das novas regras da Notificação e que garante a acreditação do CATIM como Organismo de Certificação de Produtos e a continuação do reconhecimento como Organismo Notificado no âmbito da Diretiva Máquinas (também do Regulamento Aparelhos a Gás e também Diretiva de Equipamentos de Pressão; ver em https://www.catim.pt/pt-pt/reconhecimentos).


Principais serviços e atividades no âmbito da Unidade de Engenharia e Segurança de Equipamentos (ESE):

DIRETIVA MÁQUINAS:

- Avaliação da conformidade com a Directiva Máquinas (2006/42/CE)

- Identificação da normalização e legislação aplicável a cada máquina

- Apreciação do risco

- Análise de sistemas de comando

- Informação técnica: processo técnico de fabrico, manual de instruções e Declaração CE de conformidade

- Peritagens de acidentes e eventos de segurança com máquinas e equipamentos de trabalho

- Participação nos trabalhos normativos nacionais da Comissão Técnica CT 40 / Máquinas - Ferramenta e Europeus CEN/TC 114 e CEN/TC143;

- Participação nos trabalhos normativos internacionais da ISO/TC 29, ISO/TC39 SC10 e ISO/TC199;

- Formação específica no domínio da segurança de máquinas a técnicos da indústria 


DL 50/2005:

- Avaliação das condições de segurança dos equipamentos de trabalho - DL 50/2005

- Verificações iniciais, periódicas e extraordinárias

- Inspecções


INSTALAÇÕES POR CABO PARA O TRANSPORTE DE PESSOAS (FUNICULARES E TELEFÉRICOS):


- Verificação da conformidade do projecto das instalações com os requisitos essenciais de segurança

- Análise de segurança e da conformidade de instalações com os mesmos requisitos

- Verificação intercalar de segurança

- Participação na CT 162 - Instalações por cabo para o transporte de pessoas (CATIM é Organismo de Normalização Setorial)

- Participação no Comité Europeu de normalização CEN/TC 242 

- O CATIM presta serviços neste domínio desde 2004, tendo sido reconhecido como entidade competente pelo Instituto da Mobilidade dos Transportes (IMT) para estas acções em diversas instalações, nomeadamente no Funicular dos Guindais (Porto), Telecadeira e Telesquis (Serra da Estrela), Skyparque (Manteigas), Telecabine de Lisboa (Lisboa, Parque das Nações), Ascensor da Bica (Lisboa), Teleférico do Jardim Botânico (Funchal), Ascensor do Sítio (Nazaré), Ascensor de Stª. Luzia (Viana do Castelo), Teleférico do Garajau (Região Autónoma da Madeira), Teleférico de Gaia (V. N. de Gaia), Elevador de St.ª Justa (Lisboa), Teleferico de Guimarães, Teleleférico da Fajã dos Padres (Região Autónoma da Madeira)


Principais serviços e atividades da UCP / Organismo Notificado nº 0464)


- Módulo B: Exame CE de Tipo

- Participação nos trabalhos europeus dos Organismos Notificados Europeus (Grupo Horizontal, Grupos Verticais);

- Manutenção de relações institucionais com organismos e personalidades relevantes no domínio da segurança, por força da sua condição de Organismo Notificado e pela sua intervenção ao nível da construção Normativa Europeia, 


Contactos

catim@catim.pt 

telefone : 226159000